Virgem do Curral, Escalada Clássica na Serra da Estrela

Virgem do Curral (6a)

A abertura da via Virgem do Curral é sem dúvida uma fase importante no processo de aprendizagem de abertura de novos itinerários, iniciado com abertura da “Parto Bravo”  e todo o trabalho realizado no Sector “O Pastor”. No caso da “Virgem” o factor “aventura” e “descoberta” foi bem mais elevado, assim como o imprevisto que esteve sempre ali, mesmo ao lado, para nos surpreender.

Em meados de 2012, fartos de limpar e escovar no “O Pastor”, optamos por aproveitar o dia quente de Agosto para nos aventurarmos pelo desfiladeiro mais próximo que oferecia recantos bem mais frescos. O incêndio, que em 2011 devastou a Serra da Estrela, possibilitou-nos aceder à base das paredes com maior rapidez. No entanto, não foi tarefa fácil. Assim que a natureza se renovar, se não existirem outras cordadas, o acesso não vai ser fácil.

Parecia-nos óbvio que dificilmente outras cordadas se tivessem aventurado e o aspecto do pedaço de rocha que tínhamos pela frente ia do muito exposto ao muito fácil, sendo que, por razões óbvias, optamos pelo muito fácil!

O primeiro largo foi inaugurado pelo Alcino que, com aproximadamente 30 metros, não deve passar de IV+, sendo que, no entanto, deve ser escalado com prudência pois no início a rocha está algo podre; monta-se uma reunião à direita da plataforma, junto a uma parede mais vertical, onde se inicia a fissura do segundo largo.

Alcino prepara todo o material e prepara-se para a escalada

Alcino prepara todo o material e prepara-se para a escalada

 

Os primeiros metros do 1º  largo da via

Os primeiros metros do 1º largo da via

 

Os sinais do incêndio são ainda óbvios na parede

Os sinais do incêndio são ainda óbvios na parede

Toca-me a mim o segundo largo (V) que inicio com um ressalto e entro numa fissura que vai tombando até aparecer um outro nicho onde monto a segunda reunião. Este largo não deverá ter mais de 15 metros.

Sérgio inicia o 2º largo que começa nesta fissura

Sérgio inicia o 2º largo que começa nesta fissura

 

Um exemplo da fantástica flexibilidade dos Totem Cams

Um exemplo da fantástica flexibilidade dos Totem Cams

 

Organização do material para escalar o 3º largo

Organização do material para escalar o 3º largo

Inicio a abertura do 3º largo e encontro uma espécie de canal largo que termina num pequeno muro. Para o ultrapassar podia seguir pela esquerda com uma passagem mais fácil, mas que apresentava uma fissura com uma série de pedras soltas. No entanto, optei por entrar à direita por uma espécie de chaminé, superar um pequeno ressalto extrapumado e continuar por uma fissura que nos leva até um diedro tombado. Curiosamente, a via, embora com alguma vegetação, oferece sempre possibilidades de proteger e sem grande preocupação de limpeza. Seguindo o diedro tombado, o terreno volta a empinar e os friends grandes são muito úteis, até que temos que superar uma última rampa que contorna um bloco pela esquerda e, com um passo de confiança, chego à terceira reunião numa plataforma. Só aqui nos apercebemos da altura a que nos encontramos.

Largo canal do 3º largo

Largo canal do 3º largo

 

Aqui, a avaliar o percurso, no entanto optamos por ir à direita

Aqui, a avaliar o percurso, no entanto optamos por ir à direita

 

Fantástica protecção, parece talhado para o efeito (na foto anterior consegue-se ver este ponto!)

Fantástica protecção, parece talhado para o efeito (na foto anterior consegue-se ver este ponto!)

 

Alcino escala rapidamente o 3º largo, aqui antes da chaminé

Alcino escala rapidamente o 3º largo, aqui antes da chaminé

 

Mais uma foto do 3º largo, visto da 3º reunião

Mais uma foto do 3º largo, visto da 3º reunião

 

Alcino a contornar o ressalto final para alcançar a reunião

Alcino a contornar o ressalto final para alcançar a reunião

 

Vistas da via

Vistas da via

Com a sensação de estar a chegar ao final, o Alcino inicia rapidamente o quarto e último largo da via (V).

A analisar a melhor possibilidade...

A analisar a melhor possibilidade…

Aqui, temos novamente que optar entre seguir tudo à esquerda, pelo terreno eventualmente mais fácil, mas incentivo o Alcino a entrar em frente na estética fissura. Ele segue protegendo de forma sólida a sua escalada, até que a certo momento a corda pára por largos minutos. Segue-se a espera e sente-se a tensão no ar. A fissura começara a tornar-se mais e mais rombuda e com menos profundidade e a protecção mais precária.

Alcino inicia a fissura do último largo

Alcino inicia a fissura do último largo

 

Protecção duvidosa para passes de confiança!

Protecção duvidosa para passes de confiança!

Neste momento, o Alcino tentava desesperadamente proteger com múltiplos friends, BD C3, micros HB, mas nenhum deles queria ficar. A possibilidade de destrepar era quase nula e a posição era precária e muito incómoda. Na tentativa de ajudar, recomendei que testasse os novos *Totem Basic. Ele meteu o verde e este surpreendentemente ficou lá, imóvel; mais uns movimentos e a fissura piorava e lá se colocou outro *Totem Basic, o azul, e, mais uma vez, este pequeno demonstrou a solidez que foi o suficiente para iluminar a confiança do Alcino e fazê-lo mover-se até desaparecer.

Só o Basic da Totem teimou em ficar!!

Só o Basic da Totem teimou em ficar!!

 

Mais um exemplo da polivalência dos Totem; funcionam com 2 cams

Mais um exemplo da polivalência dos Totem; funcionam com 2 cams

Agora sim, a corda saía das minhas mãos em grande velocidade até ouvir lá do alto “reunião”! Era a minha vez de limpar o pouco de material que se encontrava na fissura e perceber o porquê dos momentos de tensão. Fotografei a versatilidade dos friends e escalei em segundo até alcançar o Alcino e assim terminarmos com a foto do cume!

Alcino e Sérgio no topo da parede com os nossos amigos!

Alcino e Sérgio no topo da parede com os nossos amigos!

 

Alcino feliz por ter estes 3 Totem como "amigos"

Alcino feliz por ter estes 3 Totem como “amigos”

Esta foi, sem dúvida, uma experiência muito completa, uma nova via, por um terreno completamente virgem, sem conseguirmos visualizar o percurso ou qualquer tipo de informação, tudo em livre e principalmente sem nenhum ponto fixo. A natureza mantinha-se assim intacta e quase nem dava pela nossa presença.

A proximidade com o Barragem do Covão do Curral serviu de mote ao nome da via, que deverá ter aproximadamente 110 metros, e também para o nome do sector.

Embora com bastante vegetação, é um itinerário recomendável pois protege-se muito bem sem ser necessário fazer grande serviço de limpeza para colocar protecções, sendo que apenas recomendamos algum cuidado com blocos precários e com os últimos movimentos algo expostos. Torna-se imprescindível levar o Totem Basic verde e o amarelo ou então Aliens destas respectivas cores!

Texto: SD

Fotos: Sérgio e Alcino

Nesta escalada tivemos a oportunidade de por à prova os friends da marca Totem. Trata-se de um material um pouco diferente dos nossos mais que badalados BD. Os Totem requerem, principalmente, alguma habituação devido à sua ousada forma, mas depois apercebemo-nos que a sua polivalência, flexibilidade e robustez estão lá para nos dar o máximo de confiança. Os básica são muito ao estilo dos Aliens, mas com pequenas grandes melhorias. Posteriormente, testamos o material em escaladas artificiais e, mais uma vez, se torna impressionante a sua prestação. Para nós, o único ponto contra é a facilidade com que os cams se rompem. No entanto, em contrapartida, em rocha como o calcário (mais lisa) transmitem mais confiança! 

Croqui "Virgem do Curral"

Croqui “Virgem do Curral”

 

A DUAS FACES empresa especializada em design e comunicação tem apoiado todas as aventuras realizadas pelo Chinelo de Meter o Dedo.
Nos últimos anos têm-se especializado em Branding, rebranding, New Media e por último em Marketing digital.

Deixe uma resposta

UP WE GO